sábado, 21 de novembro de 2020

Eduardo Campos temia o potencial da sua prima Marília Arraes

Esse mesmo membro da família Arraes confessou que Eduardo fez de tudo para Marília não crescer na política. Ele temia o potencial da prima. Tanto que em 2014 também vetou a candidatura de Marília para deputada federal. Foi nesse processo que Marília rompeu com Eduardo, no auge do poder que o primo atingiu. 

Ela demonstrou uma coragem que assustou Eduardo, pois ele não imaginava tanta personalidade por parte da prima. Agora se nota o que Eduardo anteviu: Marília se transforma num quadro nacional de primeira grandeza. 

Se o PSB conseguiu manobrar para impedir que ela se elegesse governadora em 2018, agora vence as barreiras da aliança Humberto Costa-Família Campos para se posicionar como a política mulher mais importante do Brasil. Inclusive tem potencial para conquistar o sonho que nem Miguel Arraes nem Eduardo Campos conseguiram: a Presidência da República.

Entre as políticas mulheres do Brasil, Marília hoje é a que detém o maior potencial para ser Presidente.

Esse membro da família Arraes acredita, inclusive, que num futuro não assim distante, Marília vai conseguir reunir todos os Arraes e Campos. Imagina que o PSB vai ser destroçado do poder em Pernambuco, em todos os níveis, e João, se tiver mesmo que continuar na política,  deve precisar do apoio de Marília para sobreviver. Arrisca até pensar que sem as máquinas públicas que lhe apoiaram para amealhar o recorde de 460.387 votos, no futuro João Campos pode nem ter capacidade para se reeleger deputado federal. 

Aí Marília deverá ser procurada para garantir a eleição de João, que vai ter que amadurecer enfrentando a realidade nua e crua da vida política sem os esquemas das máquinas públicas. Por Magno Martins