Pix: pagamentos instantâneos podem aposentar as maquinhas da Folha e da Globo

A guerra do governo Bolsonaro contra as maquininhas de pagamentos eletrônicos ganhou um novo capítulo com o surgimento do Pix, do Banco Central, e podem criar uma situação de dependência dos veículos de comunicação da mídia corporativa.

O Blog do Esmael falou sobre o fim das maquinhas, pretendido pelo presidente da República, no último dia 24 de agosto.

Hoje, as maquinhas de pagamentos são as principais atividades econômicas do Grupo Folha, com as Amarelinhas, e do Grupo Globo, com a Ton.

Nos últimos dias, a estratégia do Banco Central ficou mais clara com o anúncio do Pix –uma nova modalidade de pagamentos e transferências eletrônicas –que, será lançado em 16 de novembro. O registro da modalidade começa no próximo dia 5 de outubro.

Segundo o BC, a plataforma vai permitir a realização de transferências bancárias a qualquer hora do dia, em qualquer dia da semana e sem ônus, colocando em xeque a TED ou do DOC, que hoje podem custar mais de R$ 15, a depender do pacote de serviços do correntista. Além disso, as próprias maquininhas seriam aposentadas pelo usuário poderá transferir valor por meio de um QR Code apresentado pelo usuário recebedor.

Para leitor ter uma ideia do que estamos falando, os meios eletrônicos de pagamento movimentaram R$ 2 trilhões em 2019. Em virtude da pandemia de coronavírus, neste ano, esse volume de transações online poderá ter crescimento de até 20%.

Saiba tudo sobre o Pix – Pagamentos instantâneos. https://www.esmaelmorais.com.br/2020/09/pix-pagamentos-instantaneos-podem-aposentar-as-maquinhas-da-folha-e-da-globo/