ONG acusa Bolsonaro de censurar imprensa

A organização não governamental (ONG) Repórteres Sem Fronteiras divulgou o ‘Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa 2019’. Os três melhores países do ranking são Noruega, Finlândia e Suécia. O Estudo diz que Bolsonaro fez o Brasil despencar para a 105ª posição entre 180 países. A mídia brasileira atacava o PT, mas com Lula e Dilma era feliz e não sabia.
A ONG repórteres sem fronteiras, com sede em Paris, França, publica, anualmente, um estudo sobre a liberdade de imprensa no mundo. Um ranking internacional sobre a situação de 180 países. Na edição deste ano, o Brasil despencou e a explicação é a de que a atuação de Bolsonaro durante a campanha eleitoral do ano passado contribuiu decisivamente.
O relatório da RSF diz, claramente, o seguinte:
No Brasil (105º lugar, – 3 posições), desde a campanha eleitoral, a imprensa se tornou alvo para os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, tanto nas redes sociais quanto durante as coberturas
São inúmeras as atitudes de Bolsonaro para dificultar o trabalho dos jornalistas.


Reportagem recente do jornal O Estado de São Paulo mostrou que a Imprensa é alvo de Bolsonaro no Twitter a cada 3 dias


Já a Ordem dos Advogados do Brasil e a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo denunciam internacionalmente que Bolsonaro usa o poder para tentar intimidar imprensa.

Durante os 13 anos de governos do PT, a mídia entoou um discurso fajuto sobre uma suposta vontade de Lula e Dilma Rousseff de “calar a imprensa”. Nunca aconteceu. A liberdade de imprensa não só foi respeitada como os governos petistas ainda encheram a mídia inimiga de dinheiro.
Muita gente se preocupa com suposta censura do STF ao site O Antagonista, mas esse site comemorou a censura do mesmo STF à Folha de São Paulo quando o jornal tentou entrevistar Lula durante a campanha eleitoral do ano passado. Se querem falar de censura, deveriam se preocupar com Bolsonaro.
Além das agressões verbais, Bolsonaro vem usando dinheiro público para fortalecer órgãos de imprensa que o elogiam enquanto tira dinheiro dos que não rezam por sua cartilha.
Ao fim do relatório anual sobre liberdade de imprensa, a Repórteres Sem Fronteiras faz um aviso sombrio:
A eleição de Jair Bolsonaro em outubro de 2018, após uma campanha marcada por discursos de ódio, desinformação, ataques à imprensa e desprezo pelos direitos humanos, é um prenúncio de um período sombrio para a democracia e a liberdade de expressão no país Confira a reportagem em vídeo: