Tiro de Moro contra Lula saiu pela culatra, diz especialista baseado em nova pesquisa


Por Fernando Brito, do Tijolaço - Os jornais destacam os 3,4% de aprovação a que se reduziu Michel Temer.

É notícia, sabemos, antiga.

Mas a pesquisa CNT/MDA, divulgada hoje, é a primeira pesquisa do “setor empresarial” divulgada desde que Sérgio Moro condenou o ex-presidente Lula à prisão, no dia 12 de julho.

E o tiro saiu pela culatra.

Lula, não perdeu, continuou subindo e Bolsonaro firmou-se como adversário, coisa que os tucanos não conseguiram, enquanto Marina Silva permanece em seu constante estado de animação suspensa.

Veja os três cenários propostos pela pesquisa.

CENÁRIO 1: Lula 32,4%, Jair Bolsonaro 19,8%, Marina Silva 12,1%, Ciro Gomes 5,3%, Aécio Neves 3,2%, Branco/Nulo 21,9%, Indecisos 5,3%.

CENÁRIO 2: Lula 32,0%, Jair Bolsonaro 19,4%, Marina Silva 11,4%, Geraldo Alckmin 8,7%, Ciro Gomes 4,6%, Branco/Nulo 19,0%, Indecisos 4,9%.

CENÁRIO 3: Lula 32,7%, Jair Bolsonaro 18,4%, Marina Silva 12,0%, João Doria 9,4%, Ciro Gomes 5,2%, Branco/Nulo 17,6%, Indecisos 4,7%.

Mesmo no quesito rejeição, sempre brandido contra Lula, ele agora é o antepenúltimo colocado, na lista liderada por Aécio Neves, com 69,5% de “não votaria de jeito nenhum”, seguido por Ciro Gomes (54,8%), Geraldo Alckmin (52,3%), Marina Silva (51,5%). Abaixo dos 50,5% de rejeição a Lula, estão Jair Bolsonaro (45,4%) e João Doria (42,9%), mas ambos com um grau de desconhecimento que interfere neste número.

Isso se reflete nos cenários de 2° turno, nos quais, em todos, Lula vence com folgadas vantagens.

CENÁRIO 1: Lula 41,8%, Aécio Neves 14,8%, Branco/Nulo: 39,6%, 
Indecisos: 3,8%.
CENÁRIO 2: Lula 40,6%, Geraldo Alckmin 23,2%, Branco/Nulo: 31,9%, Indecisos: 4,3%.
CENÁRIO 3: Lula 41,6%, João Doria 25,2%, Branco/Nulo: 28,8%, 
Indecisos: 4,4%.
CENÁRIO 4: Lula 40,5%, Jair Bolsonaro 28,5%, Branco/Nulo: 27,0%,
Indecisos: 4,0%.
CENÁRIO 5: Lula 39,8%, Marina Silva 25,8%, Branco/Nulo: 31,3%, 
Indecisos: 3,1%.


Nos demais cenários, Marina ganha de todos os demais, exceto Lula e Bolsonaro perde apenas para o ex-presidente e, por muito pouco (2%) para a candidata da Rede.

Alckmin e Doria não vencem ninguém.

O importante, porém, é que – para os que ainda duvidam, excluir Lula do processo eleitoral significa abrir caminho para um destino que é impensável para o Brasil do século 21.http://www.plantaobrasil.net/news.asp?nID=98588&po=s

CNT: Lula ganha em 2018 com Lava Jato e tudo. Só 3,4% aprovam o presidente ladrão

MoroAecio.jpg
Moro, tá esperando o quê?
Do PiG cheiroso:



O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT-SP) lidera todos os cenários analisados pela pesquisa CNT/MDA para a eleição de 2018, tanto no primeiro quanto no segundo turno. (...)

Na pesquisa espontânea para primeiro turno, o petista aparece em primeiro com 20,2% das intenções de voto. O resultado é maior do que os 16,6% apurados na pesquisa de fevereiro.

No mesmo cenário, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) vem em segundo, com 10,9% (ante 6,5% no levantamento anterior).

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB-SP) aparece em terceiro, com 2,4% das menções na pesquisa realizada em setembro. Em fevereiro, o nome do tucano foi lembrado por 0,3% das pessoas que responderam a pesquisa.

Em quarto lugar na pesquisa de setembro está Marina Silva (Rede), com 1,5% das intenções de voto. Ela é seguida pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes(PTB), ambos com 1,2% dos votos.

O atual presidente Michel Temer ficou em nono com 0,4% das intenções de voto.

Até Janot mostra a parcialidade de Moro! Léo Pinheiro não apresentou qualquer prova contra Lula


Sem Título-3.jpg

Conversa Afiada reproduz nota de Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Martins, advogados do Presidente Lula: 
Os advogados de defesa do ex-presidente Lula Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Martins juntaram aos autos de segunda instância o parecer do procurador-geral da República Rodrigo Janot Monteiro de Barros, assinado no dia 22 de agosto de 2017, porque o documento deixa claro que a condenação do ex-presidente Lula jamais poderia ter se baseado nas palavras do corréu Leo Pinheiro. Lula foi condenado baseado em palavras, desacompanhadas de qualquer comprovação, como consta do parecer do então procurador-geral.
Na sentença do juiz Sérgio Moro em 12 de julho de 2017, ele afirmou: “Ainda que tardia e sem o acordo de colaboração, é forçoso reconhecer que o condenado José Adelmário Pinheiro Filho (Leo Pinheiro) contribuiu nesta ação penal para o esclarecimento da verdade, prestando depoimento e fornecendo documentos”, escreveu. “Envolvendo o caso crimes praticados pelo mais alto mandatário da República, não é possível ignorar a relevância do depoimento de José Adelmário Pinheiro Filho, sendo seu depoimento consistente com o restante do quadro probatório, especialmente com as provas documentais produzidas e tendo ele, o depoimento, relevância probatória para o julgamento, justifica-se a concessão a ele de benefícios legais” .

Mino: Lula é um candidato imbatível. Se a Casa Grande prendê-lo, ele vira um mártir

Sem Título-11.jpg
Lula demoliu o inquisidor do Santo Ofício curitibano (Crédito: Ricardo Stuckert)
Conversa Afiada reproduz o editorial de Mino Carta na edição desta semana de Carta Capital:


Estive com Lula na noite de quinta-feira 7 de setembro, Dia da Dependência, e jantamos bacalhau à portuguesa na minha opinião de excelente feitura, era da minha lavra. Ele me disse que no seu depoimento ao inquisidor do Santo Ofício curitibano, marcado para a quarta 13, seria mais peremptório, talvez mais agressivo, do que nas ocasiões precedentes. De fato foi, como será contado na reportagem desta edição.

Vale destacar como qualificou Palocci, simulador mentiroso, embora não negasse já ter sido chegado a ele como colaborador precioso. De certa maneira, as palavras a respeito do ex-ministro engatam no trecho do discurso pronunciado em praça pública depois do depoimento em que admitiu ter errado em vários momentos ao sonhar demais.
E não seria também em confiar em quem não merece? Seria bom, aliás, se o ex-presidente repensasse nos elogios feitos a Henrique Meirelles durante a retumbante caravana pelo Nordeste. Digo, o atual ministro da Fazenda do governo ilegítimo, servidor de todos os amos a começar pelo mercado.

Jatinho: Prefake não tem nenhum pudor. Avião é de amigão do peito que advoga contra a Prefeitura...


Aviaum.jpg

E ele dizia que viajava no próprio avião... (Reprodução: Valor)
Do PiG cheiroso:



Para compromissos pessoais e de sua agenda oficial, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), usou pelo menos duas vezes avião particular do advogado Nelson Wilians. O profissional representa clientes em 63 processos contra a prefeitura e, ao mesmo tempo, é defensor do próprio Doria em casos particulares, da primeira-dama, Bia Doria, e do Lide, empresa de eventos que o político transferiu para seu filho em 2016.

Dono do escritório que leva seu nome, de helicóptero e três jatos, Wilians aparece como advogado de empresas e pessoas que litigam contra o município em ações listadas no Tribunal de Justiça (TJ-SP). Tratam de questões da esfera civil. A mais recente foi distribuída em março, quando Doria já era prefeito. Ele representa uma empresa do setor de plásticos que reivindica créditos tributários.

A situação, conforme juristas e professores ouvidos pelo Valor, suscita questionamentos a respeito do comportamento do prefeito: configuração de conflito de interesses, risco de violação de dispositivos da Lei de Improbidade e inconformidade com o Código de Conduta Funcional do município.

Neste ano, Doria viajou no jato de Wilians em 14 de agosto, uma segunda-feira, para Palmas. O tucano se encontrou com o prefeito Carlos Amastha (PSB), participou de um evento do PSDB, deu palestra a empresários e entrevistas, compromissos registrados na agenda oficial. Na cidade, foi recebido com faixas com a mensagem "Tocantins quer Doria presidente".

GLEISI: POR QUE LULA LIDERA E OS ARAUTOS DO GOLPE ESTÃO NA LANTERNA?

247 com Agência Senado - Em discurso na tribuna do Senado nesta tarde, a senadora Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, comentou a pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT) sobre o desempenho do governo, a crise política e intenção de votos para a eleição presidencial de 2018, que põe ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em primeiro com 32% de intenções e vence em todos os cenários (leia mais).
Gleisi destacou que o motivo pelo qual isso acontece é porque o povo não esquece que vivia melhor no governo Lula. "Se o PT foi tão nefasto para este país, se Lula foi tão ruim para o Brasil, por que ele continua sendo a preferência do povo brasileiro, e os arautos da moralidade e do golpe ficam lá atrás, na lanterna?", indagou a senadora. 
"O que nós vemos é que o Brasil está piorando a cada dia. Em relação ao emprego, à proteção às suas pessoas, ao combate à fome, voltamos a ter fome no País, o que é uma vergonha para um País que produz alimento. Nós vamos quase dois anos que a presidenta Dilma foi afastada e o País e nada melhora", afirmou a dirigente petista. 
Assista ao discurso de Gleisi Hoffmann acima.

DESEMBARGADOR DO TRF-4 DETONA JUÍZES MIDIÁTICOS. Magistrado adversário de réu? Isso vai custar caro...⁠⁠⁠⁠


Em tempo: vale lembrar que o desembargador Rogério Fraveto foi o único do TRF-4 a votar contra o Imparcial de Curitiba, em setembro de 2016, quando este foi julgado pelo criminoso vazamento do áudio entre a Presidenta Dilma e o Presidente Lula.
Em tempo²: ainda sobre o criminoso vazamento, não deixe de assistir novamente à TV Afiada "Os grampos apodreceram a Lava Jato"https://www.conversaafiada.com.br/brasil/desembargador-do-trf-4-detona-juizes-midiaticos

PESQUISA CNT/MDA TAMBÉM TIRA DORIA DO PÁREO EM 2018

A pesquisa CNT/MDA divulgada nesta terça-feira, que apontou o crescimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a vitória dele em todos os cenários, também traz um efeito colateral: ela praticamente mata a candidatura de João Doria Júnior, o prefeito de São Paulo que praticamente abandonou o cargo para fazer campanha presidencial; Doria vinha usando o argumento de que era mais competitivo do que seu padrinho Geraldo Alckmin para tentar tomar seu lugar; no entanto, os dois tiveram percentuais praticamente idênticos: Alckmin, com 8,7%, e Doria, com 9,4%; ou seja: ambos estão empatados, na margem de erro, o que significa que Alckmin, com a máquina tucana nas mãos, será o candidato – Doria, agora, terá que governar São Paulo, onde o lixo se acumula nas ruas. 

FOI ODEBRECHT QUEM MANDOU PALOCCI DELATAR O LULA? "Inventa um pacto de sangue, Italiano", pode ter sido a instrução...


Sem Título-16.jpg

Fala, Marcelinho... Fala! (Crédito: Diário do Poder)
Amigo navegante recuperou da Fel-lha à beira do túmulo, segundo a CNT informação preciosa: o Marcelo Odebrecht que diz qualquer coisa para ferrar o Lula e voltar para a Bahia teria sido quem teve a jenial ideia do "pacto de sangue".
(Antes convém assistir à TV Afiada sobre o pulha do Pulhocci e ao que disseram o Dirceu e o Breno Altmann sobre o referido canalha.)
Veja, amigo navegante, que a informação da Fel-lha é de quatro meses antes de o pulha delatar: teve tempo suficiente para construir a pulhice:


Há alguns dias, o ex-ministro petista Antonio Palocci entrou na cela de Marcelo Odebrecht, na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, falando em italiano. Minutos depois, os dois riram. Assim como a dupla, os companheiros que estavam ao lado caíram na gargalhada, segundo relatos obtidos pela Folha.
A brincadeira, que se tornou comum entre os dois presos da Lava Jato, é uma referência ao codinome "italiano" dado ao petista na Odebrecht em operações que envolviam repasses de propina e caixa dois.

LULA, EM ALTA NAS PESQUISAS

RICARDO STUCKERT


No mesmo dia em que pesquisa CNT/MDA apontou o ex-presidente Lula eleito presidente pela terceira vez, se as eleições fossem hoje, o Poder Judiciário deu sua resposta: a Justiça Federal em Brasília aceitou a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra Lula e o ex-ministro Gilberto Carvalho por corrupção passiva em um dos processos da Operação Zelotes; com a decisão, proferida pelo juiz federal Vallisney de Oliveira, os acusados se tornam réus no processo; de acordo com a denúncia, Lula, Carvalho e mais cinco investigados são acusados de beneficiar montadoras de veículos por meio da edição de medidas provisórias que vêm desde o governo FHC; pela pesquisa, Lula venceria todos os adversários. https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/318101/Em-alta-nas-pesquisas-Lula-vira-r%C3%A9u-de-novo.htm

NÃO DEIXAR O LULA SER CANDIDATO É UM ESTUPRO! Com Moro, TRF-4, Pulhocci, Globo e tudo

PESQUISA CNT: LULA É FAVORITO E VENCE EM TODOS OS CENÁRIOS PARA 2018

RICARDO STUCKERT
247 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é o favorito dos eleitores brasileiros para 2018. Pesquisa CNT/MDA, divulgada nesta terça-feira (19), mostra que Lula lidera as intenções de voto em todos os cenários avaliados. A intenção de voto estimulada em Lula varia, nos três cenários, entre 32% e 32,7% para o primeiro turno. No segundo turno, a intenção de voto estimulada fica entre 39,8% e 42,8%.

No levantamento que aponta a intenção de voto espontânea, Lula fica à frente dos demais nomes com 20,2% no primeiro turno. O segundo colocado é Jair Bolsonaro, com 10,9%. Na pesquisa divulgada em fevereiro deste ano, o ex-presidente tinha 16,6% das intenções de voto.
O levantamento foi realizado entre os dias 13 e 16 de setembro de 2017 e ouviu 2.002 entrevistados. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais com 95% de nível de confiança.
Veja todos os cenários:

PF descobre propinas no exterior para grupo de Temer

Relatório foi anexado ao inquérito que concluiu pela existência de uma organização criminosa formada por integrantes do partido. Partido só se pronunciará quando tiver acesso a documento.
Por Jornal Nacional
Uma  perícia da Polícia Federal no sistema que registrava as propinas pagas pela Odebrecht comprovou depósitos no exterior para o grupo do presidente Michel Temer. A propina havia sido combinada em reunião com Temer e peemedebistas, segundo a delação de um ex-executivo da empreiteira. O relatório da perícia foi anexado ao inquérito que concluiu pela existência de uma organização criminosa com integrantes do partido.
O que diz a PF
A promessa do pagamento de propina teria sido feita em uma "reunião no escritório político de Michel Temer, no dia 15 de julho de 2010, que contou com a presença dos executivos da Odebrecht Márcio Faria e Rogério Araújo, do operador do PMDB, João Augusto Henriques, do próprio Temer, dos ex-deputados Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves."
Segundo Márcio Faria da Silva, "ficou acertado que a Odebrecht pagaria ao PMDB propina de 4% do valor do contrato assinado entre a Petrobras e a construtora no dia 26 de outubro de 2010 no valor aproximado de US$ 800 milhões. A propina seria de US$ 32 milhões.
No depoimento ao Ministério Público Federal, Márcio Faria disse ainda que, desse total de US$ 32 milhões destinados ao PMDB da Câmara, identificados nos depósitos com os nomes "tremito" e "mestre", US$ 20,8 milhões foram pagos no exterior, enquanto o equivalente a US$ 11,2 milhões foram pagos em espécie no Brasil.

TARSO: PROCESSO CONTRA LULA POR MP DE FHC É O FIM DA PICADA


O ex-ministro Tarso Genro comentou em seu Twitter o surgimento de uma nova denúncia contra Lula, agora na Operação Zelotes, justamente após a divulgação de uma pesquisa onde o petista lidera a corrida eleitoral para 2018 em todos os cenários; "Sétimo processo contra Lula. Desta feita tem provas! Assinatura numa Medida Provisória...Reeditando MP de FHC. É o fim da picada!", escreveu Tarso na rede social; Lula é acusado de suposto favorecimento às montadoras na edição de uma Medida Provisória. No entanto, o decreto havia sido publicado ainda na gestão anterior, do tucano FHC. BR 247

COMO LULA NÃO MORREU, MÍDIA IGNORA PESQUISA


Depois que vários colunistas da imprensa conservadora anunciaram a morte do ex-presidente Lula em razão da Lava Jato, mas a realidade insistiu em teimar mostrando o oposto, como se viu na pesquisa CNT/MDA, a solução foi ignorar os resultados; nos portais ligados aos grupos Globo e Folha, nada se falou sobre o crescimento de Lula, que venceria todos os seus adversários e seria eleito presidente pela terceira vez, se as eleições fossem hoje

Apenas 3,4% dos brasileiros aprovam o governo de Michel Temer



De cada grupo de 100 brasileiros, apenas 3,4% aprovam o governo do presidente Michel Temer, segundo pesquisa do MDA, encomendada pela CNT (Confederação Nacional do Transporte), divulgada nesta terça-feira (19).
Por outro lado, 75,6 % reprovam o governo, 18% o consideram é regular e 3% não quiseram ou não souberam responder a pesquisa.
No levantamento anterior, realizado no mês de fevereiro, 10,3% dos brasileiros avaliaram o governo como positivo e 44,1% como negativo, ao passo que 38,9% o consideraram regular e 6,7% não souberam ou não quiseram opinar.
Sobre o desempenho pessoal do presidente, 84,5% dos brasileiros desaprovam sua maneira de governar, ante 62,4% da pesquisa anterior. Apenas 10,1% aprovam o seu jeito de administrar, ante 24,4% do levantamento passado.
A pesquisa foi realizada com 2.002 questionários em 137 municípios de 25 estados das cinco regiões do país entre os dias 13 e 16 de setembro deste ano. Postado em 19 de setembro de 2017 por Inaldo Sampaio

DILMA LIDERA PESQUISA PARA O SENADO EM MINAS

Roberto Stuckert Filho/PR | Jefferson Rudy/Agência Senado


A presidente deposta Dilma Rousseff poderá dar a volta por cima nas eleições de 2018; isso porque ela lidera as pesquisas para o Senado em Minas Gerais e poderá bater, mais uma vez, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), que, após ser derrotado por ela na disputa presidencial de 2014, se uniu ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para golpear a democracia brasileira; Dilma tem 12% das intenções espontâneas e aparece à frente de Aécio, com 10%, que ainda pode desabar com a divulgação de seus grampos com a JBS, em que ele fala em matar o primo Fred Pacheco, que recebeu malas de R$ 2 milhões; outro senador que concorreria com Dilma seria Zezé Perrela (SD-MG), também envolvido no escândalo JBS, uma vez que o dinheiro das malas foi encaminhado a uma das suas empresas.

Lula e o efeito saturação

@MidiaNINJA | Agência Brasil
Cientista político e professor da Fundação Escola de Sociologia e Política

"Fim do jogo", "bala de prata", "fim da linha para Lula". Estas foram algumas das definições expedidas por analistas e comentaristas políticos acerca do depoimento de Palocci, imputando acusações genéricas contra Lula. As evidências empíricas e as pesquisas de opinião, contudo, indicam que o que chegou ao fim da linha são os efeitos da guerra de desgaste que vem sendo travada contra o ex-presidente desde o início da atual crise política. Os que não se deram conta deste fato são, João Dória, alguns comentaristas que se consideram vacas sagradas do jornalismo político e os fascistóides empedernidos que vêem em Lula a encarnação do demônio.

A destruição da figura política e histórica de Lula era um dos objetivos iniciais da Lava Jato, particularmente dos procuradores de Curitiba e do juiz Moro, mas também dos políticos que se agregaram no golpe e de boa parte do jornalismo político. Com o estilhaçamento do bloco golpista, com a percepção de que o governo Temer é uma quadrilha e com o envolvimento crescente de políticos governistas nas denúncias de corrupção, a frente ampla de ataque a Lula se reduziu.

A estratégia adotada pelos inimigos de Lula foi a de um fogo de barragem, uma guerra de saturação prolongada e concentrada na figura dele, depois de derrubada a Dilma. Este fogo consistiu no uso de todas as armas lícitas e ilícitas, em todas as frentes - estatais e não estatais, públicas e privadas. Lula foi apresentado desde o início como o grande chefe, o "general da propinocracia", nas palavras do Dallagnol.

Mas a guerra de saturação produziu uma contra-face, inesperada pelos seus operadores: a saturação da opinião pública. As acusações e delações contra Lula são tantas que poucos sabem acerca do que ele está sendo acusado.  Acusações e delações contra ele esgotaram a capacidade de provocar abalos emocionais, na medida em que houve uma saciedade de emoções. Diga-se agora o que se disser a respeito de Lula, se não vier acompanhado com malas de dinheiro, com contas recheadas por milhões de reais, não produzirá mais nenhum efeito significativo, pois se produziu um estado psicológico nas pessoas que chegou ao limite a respeito do assunto. As pessoas estão saciadas de denúncias contra o ex-presidente. O que vier agora tende a ser rejeitado, provocando fastio, cansaço, aborrecimento, tédio e recusa.

Ao esgotar a sua potência emocional, as novas denúncias, pelo contrário geram incômodo e indiferença. As pessoas comuns raciocinam e chegam às suas conclusões usando o método comparativo. Com isto, percebem três coisas:  1) Lula é acusado de ser dono de um triplex, de um sítio, de um terreno para o Instituto e de um apartamento em São Bernardo do Campo que, comprovadamente, não são seus e que o MP e Moro não conseguem provar a propriedade do ex-presidente; 2) em contraste com a imaterialidade das acusações contra Lula, há a materialidade de 51 milhões no apartamento do Geddel, a mala de dinheiro de Temer e Rocha Loures, os dois milhões de Aécio Neves e várias contas, jóias e dinheiro de outros acusados; 3) há uma crença generalizada de que nada será feito contra Temer e contra Aécio Neves.

A interligação de todos esses pontos na mente das pessoas comuns reforça a crença de que se Lula cometeu pecados, estes são menores do que aqueles dos seus inimigo e de que há uma ação persecutória contra ele por parte do Ministério Público e do juiz Moro. Há que se considerar também que boa parte daqueles que lutaram pelo afastamento de Dilma e pela condenação de Lula estão estupefatos com os crimes revelados, praticados por políticos do atual condomínio de poder.

As políticas anti-sociais, anti-culturais, anti-ambientais e anti-civilizacionais praticadas pelos governistas revoltaram muitos dos seus apoiadores iniciais. O entorno fascista do governo e dos políticos que o compõem, que cresce em número e ousadia, vem colocando muitas pessoas em estado de alerta e revendo positivamente os seus posicionamentos em relação a Lula, ao PT e às esquerdas. Por outro lado, há uma clara decomposição do centro político com a crise e cisão do PSDB. Com isso, o movimento da política se desloca para uma polarização crescente, tendo Lula de um lado, e as duas faces fascistóides do outro: Bolsonaro e Dória.

Lula ou guerra?

O ex-ministro Gilberto Carvalho vaticinou que se Lula não for candidato em 2018 "vai ter guerra.  Uma guerra que não será feita por nós. Será feita por estes tantos que demonstraram agora, na caravana, o amor e a esperança que eles têm no Lula e por esta gente que estava aqui hoje e os tantos milhões de brasileiros que nós vamos abraçar em outras caravanas futuras". Seja qual for o significado da palavra "guerra", aqui, este é um problema, um equívoco, que as esquerdas vêm repetindo desde 1964.
Naquele ano, Jango teria movimentos sociais que o sustentariam e até mesmo uma base militar nas Forças Armadas para enfrentar os golpistas. O golpe foi sacramentado sem que ocorressem reações significativa. Com  Dilma, ocorreu a mesma coisa: existiria um exército do Stédile, e o presidente da CUT anunciou que reagiria ao golpe nas trincheiras, com armas na mão. No dia 17 de abril, os militantes e ativistas se retiraram do Vale do Anhangabaú e de outros locais, cabisbaixos e desmoralizados, sem exército e sem trincheiras.

Acreditar que o povo das caravanas fará "guerra", espontaneamente, pela sua própria iniciativa, significando esta, provavelmente, luta, manifestações, mobilizações, significa acreditar numa ilusão. O povo das caravanas só se mobilizará se tiver comando e direção e se este comando tiver uma estratégia definida. Não é isto o que se vê no PT. Mantidas as atuais condições, se Lula for condenado, com a subtração do direito de concorrer, haverá uma manifestação aqui, outra acolá, uma retórica contundente da direção petista e nada mais. Para haver lula, mobilizações, desobediência civil, é preciso que isto tudo seja construído e organizado. Acreditar na benevolência ou no temor dos juízes do Tribunal Regional Federal da 4ª Região é um ato de extrema ingenuidade.

A estratégia das caravanas é correta e necessária. Lula saiu da condição de ser um alvo fixo e passivo do juiz Moro e da Lava Jato. Saiu da defensividade para travar uma guerra mental, na fluidez de um terreno em que ele tem o domínio e que os seus inimigos não o conhecem e onde não sabem se mover. Trata-se agora de travar essa guerra conceitual e simbólica que Lula sabe travar, de confundir os juízes e de jogar o seu julgamento para o povo.


Mas as caravanas não podem ser um mero passar de Lula pelas cidades, um ato, uma caminhada, que se esgotam em si mesmos. É preciso extrair saldos organizativos das mesmas e criar a consciência de que o que se decide, neste momento, no Brasil, é se Lula pode ou não pode concorrer. Os petistas e Lula indicarão as consequências e as providências a serem desencadeadas se houver uma interdição do direito de disputar as eleições? A direção do PT precisa responder essa questão. BR 247

SHOW DE VIOLA NO BAR DA LAJE EM BOM JARDIM

Você não pode perder neste próximo sábado, dia 23, grande Show de Viola, no bar do nosso amigo Cocada (conhecido como o Bar da Laje), na Vila da Cohab, Bom -Jardim, a partir das 6 horas da noite. 

Você é convidado especial para assistir o Show, com os poetas cancioneiros Ramos da Saudade e Manuel Mariano. 

Não perca!

Senador Fernando Bezerra recebe a visita de Jacilda Urquisa



O senador Fernando Bezerra Coelho (PMDB) recebeu nesta segunda-feira (18) em seu escritório político do Recife a visita da ex-prefeita de Olinda, Jacilda Urquisa(PMDB), desafeta do vice-governador Raul Henry e do deputado Jarbas Vasconcelos, ambos peemedebistas.
Jacilda estava acompanhada pelo marido, o ex-deputado estadual Hélio Urquisa, que preside o PMDB de Bom Conselho. Eles são pais da suplente de deputado estadual, Izabel Urquisa, hoje assessora técnica do ministro das Cidades Bruno Araújo (PSDB).
Jacilda é filiada ao PMDB desde 1982, tendo sido eleita vereadora, prefeita e deputada estadual pela legenda. E presidiu o diretório municipal do PMDB até 2016, quando houve intervenção por parte da executiva estadual.
Ela perdeu o controle do partido para o deputado estadual Ricardo Costa pelo fato de não ter apoiado Jarbas Vasconcelos para a Câmara Federal, e sim Felipe Carreras, filiado ao PSB. Consequentemente, Izabel não pôde disputar a prefeitura pelo PMDB e se transferiu para o PSDB, tendo ficado na terceira colocação em 2016.
Jacilda e Hélio Urquisa deram as boas vindas ao senador e demonstraram confiança no crescimento do partido de agora em diante. “Fernando Bezerra é um grande quadro, bem articulado e com enorme capacidade de trabalho. Acredito que o partido tem muito a ganhar com ele”, afirmou a ex-prefeita.
No final da manhã, o senador recebeu a visita do presidente da Câmara de Olinda, vereador Jorge Federal (PR). Por Inaldo

Líder do governo fazia feira com dinheiro da prefeitura

O Globo
Pela segunda vez em menos de dois meses, o líder do governo do presidente Michel Temer no Congresso, deputado André Moura (PSC-SE), foi condenado pela Justiça a ressarcir os cofres públicos em razão de desvios da prefeitura de Pirambu (SE), no período em que o grupo político do parlamentar comandou o Executivo local. Desta vez, em sentença assinada na noite desta segunda-feira, o juiz Rinaldo Salvino do Nascimento condenou Moura e mais quatro pessoas — entre elas a mulher e uma irmã —por usar o dinheiro da prefeitura para fazer "feiras de mercadinho" em benefício próprio.
O grupo terá de devolver pelo menos R$ 30,4 mil aos cofres da prefeitura, valor gasto em mercadinhos e numa peixaria de forma indevida, como consta na ação de improbidade administrativa. O restante do dano deve ser calculado na fase de execução da sentença. Eles também têm de pagar multa. O juiz titular da Comarca de Japaratuba suspendeu por oito anos os direitos políticos do cinco envolvidos. Eles podem recorrer da decisão no Tribunal de Justiça de Sergipe.
O dinheiro da prefeitura foi usado para comprar comida e bebida alcoólica, segundo as investigações que resultaram na decisão judicial. Moura foi prefeito de Pirambu entre 1997 e 2004. Depois, continuou ditando as regras na prefeitura, conforme a sentença. A "hegemonia política" durou até 2007.
As compras feitas "abasteciam" as casas de Moura e seu sucessor na prefeitura, segundo a sentença. As aquisições eram maquiadas com a emissão de "notas fiscais nas quais eram lançadas mercadorias diversas das realmente adquiridas, e que correspondiam aos itens licitados ou compreendidos no contrato administrativo", escreveu o juiz na decisão.

ATO DE ELITE



O ato de desagravo ao deputado Jarbas Vasconcelos, ontem, no Recife, por estar ameaçado de perder o controle do diretório do partido no Estado, até atraiu muita gente, mas o que mais chamou a atenção dos presentes não foram os acalorados discursos, mas o local escolhido: o suntuoso e luxuoso prédio do JCP, na Zona Sul da cidade. POR MAGNO MARTINS

Ironia poética: general diz que milicos darão golpe nos golpistas

golpe militar
Um general da ativa do Exército chamado Antonio Hamilton Mourão afirmou, em palestra promovida pela maçonaria em Brasília na última sexta-feira (15), que haverá “intervenção militar” se o Judiciário “não solucionar o problema político”, em referência à corrupção de políticos.
O tal general diz que “os militares terão que impor isso”. E o mais grave é que ele disse que “O Alto Comando do Exército avalia que ainda não é o momento para a ação”, mas que ela “poderá ocorrer após aproximações sucessivas”.
“Ou as instituições solucionam o problema político, pela ação do Judiciário, retirando da vida pública esses elementos envolvidos em todos os ilícitos, ou então nós teremos que impor isso e o Exército tem planejamentos muito bem feitos”.
As declarações de um militar inexpressivo como esse ganharam destaque simplesmente porque ele é da ativa e falou em nome do “alto comando” das Forças Armadas”. Na prática, isso se torna meio caminho andado para consolidação de um golpe militar com direito a tanques na rua etc.
Antes de avançar nesse assunto, porém, vale entender do que é que o tal Mourão falou. A pergunta foi feita pelos organizadores do evento, uma loja da Maçonaria, instituição ultrarreacionária e de caráter fascista amplamente conhecida, e que congrega gente abastada, mas profundamente ignorante, iletrada e fanática.
Nesse contexto, vale ver – ou rever – a pergunta – recheada de erros de português – dos organizadores do evento e a resposta impressionantemente ousada, irresponsável e até criminosa do general golpista.
Pergunta: [apresentador lê um papel com a pergunta] “A Constituição Federal de 88 admite uma intervenção constitucional com o emprego das Forças Armadas. Os poderes Executivos [sic] e os Legislativos estão podres, cheio de corruptos, não seria o momento dessa interrupção, [corrigindo] dessa intervenção, quando o presidente da República está sendo denunciado pela segunda vez e só escapou da primeira denúncia por ter ‘comprado’, entre aspas, membros da Câmara Federal? Observação: fechamento do Congresso, com convocações gerais em 90 dias, sem a participação dos parlamentares envolvidos em qualquer investigação. Gente nova.”
Mourão: Excelente pergunta. Primeira coisa, o nosso comandante, desde o começo da crise, ele definiu um tripé pra atuação do Exército. Então eu estou falando aqui da forma como o Exército pensa. Ele se baseou, número um, na legalidade, número dois, na legitimidade que é dada pela característica da instituição e pelo reconhecimento que a instituição tem perante a sociedade. E número três, não ser o Exército um fator de instabilidade, ele manter a estabilidade do país. É óbvio, né, que quando nós olhamos com temor e com tristeza os fatos que estão nos cercando, a gente diz: ‘Pô, por que que não vamo derrubar esse troço todo?’ Na minha visão, aí a minha visão que coincide com os meus companheiros do Alto Comando do Exército, nós estamos numa situação daquilo que poderíamos lembrar lá da tábua de logaritmos, ‘aproximações sucessivas’. Até chegar o momento em que ou as instituições solucionam o problema político, pela ação do Judiciário, retirando da vida pública esses elementos envolvidos em todos os ilícitos, ou então nós teremos que impor isso. Agora, qual é o momento para isso? Não existe fórmula de bolo. Nós temos uma terminologia militar que se chama ‘o Cabral’. Uma vez que Cabral descobriu o Brasil, quem segue o Cabral descobrirá alguma coisa. Então não tem Cabral, não existe Cabral de revolução, não existe Cabral de intervenção. Nós temos planejamentos, muito bem feitos. Então no presente momento, o que que nós vislumbramos, os Poderes terão que buscar a solução. Se não conseguirem, né, chegará a hora que nós teremos que impor uma solução. E essa imposição ela não será fácil, ele trará problemas, podem ter certeza disso aí. E a minha geração, e isso é uma coisa que os senhores e as senhoras têm que ter consciência, ela é marcada pelos sucessivos ataques que a nossa instituição recebeu, de forma covarde, de forma não coerente com os fatos que ocorreram no período de 64 a 85. E isso marcou a geração. A geração é marcada por isso. E existem companheiros que até hoje dizem assim, ‘poxa, nós buscamos a fazer o melhor e levamos pedradas de todas as formas’. Mas por outro lado, quando a gente olha o juramento que nós fizemos, o nosso compromisso é com a nação, é com a pátria, independente de sermos aplaudidos ou não. O que interessa é termos a consciência tranquila de que fizemos o melhor e que buscamos de qualquer maneira atingir esse objetivo. Então, se tiver que haver, haverá. Mas hoje nós consideramos que as aproximações sucessivas terão que ser feitas. Essa é a realidade. 

TEMER VOLTA AO LOCAL DO CRIME: O HOTEL DE LOURES. Foi onde o ex-assessor se hospedou para evento do Doria

Hotel.jpg
A entrada do Lotte New York Palace. Todos os quartos do hotel possuem banheiro revestido em mármore. Chique! (Reprodução: Booking.com)
Do Valor - aqui, no Conversa Afiada, conhecido também como PiG cheiroso:


O hotel Lotte New York Palace, em que os presidentes Michel Temer e Donald Trump vão jantar na noite dessa segunda-feira (18), é o mesmo em que ficou hospedado Rodrigo Rocha Loures, ex-assessor da Presidência da República, quando foi divulgada a delação do empresário Joesley Batista, em maio.

Na ocasião, Loures estava participando de um evento com empresários organizado pelo Grupo de Líderes Empresariais (Lide), fundado por João Doria (PSDB), atual prefeito da capital paulista.

Rocha Loures retornou para o Brasil e foi preso logo em seguida, sob a acusação de receber uma mala com propinas para supostamente interferir numa decisão que seria tomada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

De acordo com o Ministério Público Federal, a propina seria destinada a Temer. O presidente negou as acusações.

Localizado na avenida Madison, entre as ruas 50 e 51, o hotel é um dos mais requintados da cidade. (...) O hotel foi escolhido pela Casa Branca e fica a poucas quadras da Trump Tower, residência de Trump em Nova York. (...)

ATÉ OS FRANCESES JÁ SABEM: TEMER É DA QUADRILHA. Jornais conservadores são mais realistas que o PIG brasileiro

Franca.jpg
Créditos: RFI
Da RFI - Radio France Internationale:


Dois grandes jornais franceses – Le Figaro e o diário econômico Les Echos – abordam em suas edições desta segunda-feira (18) as novas denúncias da Procuradoria-Geral da República contra o presidente brasileiro. Com chamada de capa, Le Figaro informa que Michel Temer foi denunciado no Supremo Tribunal Federal (STF) sob a acusação de liderar uma organização criminosa e por obstrução da justiça.

Le Figaro informa que o mandato do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot terminou neste domingo (17) mas, antes de partir, ele ainda "disparou uma última salva" contra a popularidade de Temer.

Les Echos detalha que Temer é acusado de ser o líder de uma organização criminosa que teria desviado € 150 milhões em propinas obtidas na assinatura de contratos de várias estatais. Informa ainda que auxiliares muito próximos do presidente, como Eduardo Cunha, Henrique Alves, Geddel Vieira Lima, Rodrigo Loures, Eliseu Padilha e Moreira Franco também são atingidos pelas denúncias. O correspondente do Les Echos em São Paulo lembra que Padilha, ministro-chefe da Casa Civil, ocupa um cargo que corresponde ao de primeiro-ministro na França, e que Franco é o atual secretário-geral da presidência. (...) https://www.conversaafiada.com.br/mundo/ate-os-franceses-ja-sabem-temer-e-da-quadrilha

POR QUE A GLOBO NÃO DERRUBOU O TEMER. O que sustenta o ladrão é mais forte do que ela

A História que se repete

Ricardo Stuckert | Arquivo

A perseguição a Lula e a Dilma não é um fato isolado na História de nosso país. Os ex-presidentes Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek e João Goulart também tiveram suas vidas devassadas pelos adversários políticos e pela imprensa em decorrência da postura que adotaram em seus governos. Além de privilegiarem o desenvolvimento de setores importantes da indústria nacional, de alguma forma todos tentaram reduzir a desigualdade social para transformar o Brasil em um país melhor. Assim como ocorre atualmente com Lula e com Dilma, os ex-presidentes foram acusados impiedosamente de corrupção pelas forças conservadoras, mas ao final terminaram absolvidos pela História, pois ninguém conseguiu levantar uma única prova que manchasse suas biografias.

Lula e Dilma estão na mira das elites porque retomaram a mesma agenda de seus antecessores. Vargas privilegiou os trabalhadores ainda no período do Estado Novo, garantindo proteções individuais e coletivas impensáveis até então, como jornada de trabalho de oito horas, descanso semanal remunerado, férias anuais, salário mínimo, previdência social e direito à organização sindical, entre outros benefícios. Além disso, investiu na criação da Petrobras, contrariando os interesses das poderosas petroleiras norte-americanas, e enfrentando os entreguistas, que àquela época já usavam a imprensa para opor-se a qualquer tentativa de voo solo do Brasil. Vargas sacrificou-se em defesa de suas ideias e honra, saindo da vida para entrar para a História.

JK e Jango não foram menos importantes, mas terminaram perseguidos da mesma maneira. O primeiro construiu Brasília e trouxe montadoras para o país, inaugurando um ciclo de desenvolvimento que prometia fazer em cinco anos o que não havia sido feito em 50 anos. JK foi perseguido e acusado, pasmem, de viver em um luxuoso apartamento em Ipanema que pertencia a um banqueiro. O caso foi arquivado pela Justiça por falta de provas contra o ex-presidente, que anos depois morreria misteriosamente em um acidente de carro na Dutra. Jango criou o 13º salário e foi chamado de comunista por sugerir uma reforma agrária no Brasil, sendo deposto e cassado por militares que se revezaram no poder por quase duas décadas. Também morreu anos depois, no exílio, e sua família acredita que possa ter sido envenenado.
Assim como ocorreu com esses ex-presidentes, Lula é atacado pelo que representa ao povo brasileiro. Com inúmeros processos sem base jurídica, querem impedir a maior liderança popular desse país de se candidatar e concorrer à presidência da República em 2018. Sem forças para enfrentá-lo nas urnas, tentam desmoralizá-lo publicamente, produzindo delações sem provas, denúncias baseadas em notícias de jornais e acusações de favorecimento pessoal apenas para desviar a atenção da opinião pública.

Os golpistas que assumiram o poder já deram várias provas de seu desprezo por quem ousou construir um Brasil grande e justo. Já mexeram na CLT e na Petrobras de Vargas, destroem a indústria nacional sonhada por JK, repetiram a receita da tomada do poder à força, travestida de golpe parlamentar. Espero que os brasileiros possam despertar desse pesadelo e nos ajudar a restabelecer um Brasil mais humano e voltado à maioria de nossa população. Resta a Lula voltar ao poder com a força do povo para interromper a sanha dos golpistas que destroem nossa democracia, provar sua inocência e, principalmente, impedir que nossa História nefasta de perseguição e entreguismo se repita. BR 247

Comissão de Ética abre dois processos contra Moreira Franco

Antonio Cruz/Agência Brasil: <p>Ministro da Aviação Civil, Moreira Franco, fala na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, sobre a situação das obras dos aeroportos, o remanejamento de voos para o período da Copa (Antonio Cruz/Agência Brasil)</p>

O ministro da Secretaria Geral, Wellington Moreira Franco, sofrerá dois processos da Comissão de Ética da Presidência da República; o primeiro deles é por favorecimento às empresas Bertin e Odebrecht quando ainda ocupava a vice-presidência da Caixa Econômica Federal; o segundo acontece por conflito de interesse: quando Moreira Franco estava na CEF, seu filho Pedro era executivo da Odebrecht  BR 247

Intervenção militar? Onde estão os democratas?

:

Em seu primeiro comentário em vídeo para a TV 247, Paulo Moreira Leite rebate o general Antônio Hamilton Mourão, secretário de economia e finanças do Exército, que revelou planos de uma intervenção militar no Brasil, caso o Judiciário não consiga remover alguns "elementos" da vida pública brasileira. "A quem ele se refere: ao ex-presidente Lula? Ao Michel Temer? Ao Aécio Neves? Ao Eunício Oliveira? Ao Rodrigo Maia?", questionou; PML também cobrou providências das autoridades pelo que considera um ato de insubordinação do general, lembrando que, até agora, tanto Temer como seu ministro da Defesa, Raul Jungmann, continuam calados; quem se manifestou, por nota, foi a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR). BR 247

Rocha Loures, homem da mala de Temer, vai tentar anular provas

Reprodução: <p>rocha loures</p>

O ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, flagrado com uma mala de dinheiro supostamente destinada a Michel Temer, também vai tentar se beneficiar de uma eventual anulação de provas no caso em que é réu; investigadores dizem que, se ficar comprovado que Joesley Batista foi orientado pelo então procurador Marcello Miller a gravar Temer, a nulidade da prova pode beneficiar não só o peemedebista, mas também Rocha Loures. BR 247

Para Janaina, intervenção militar não é golpe

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil: <p>Brasília - Janaína Paschoal, um dos autores do pedido de afastamento da presidenta Dilma Rousseff, na Comissão Especial do Impeachment no Senado (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)</p>

Parecerista da peça jurídica que permitiu o golpe que destituiu Dilma Rousseff, a advogada Janaina Paschoal saiu em defesa do general que falou em uma intervenção militar no Brasil; para ela, que ficou em último lugar em um recente concurso para professora da USP, "o General Mourão não falou em golpe! Ele alertou para a necessidade de funcionarem as instituições". BR 247

NÃO SEJAMOS INOCENTES: HOUVE UMA AMEAÇA DE GOLPE MILITAR

Pedro Ribas/ANPr/Divulgação | ABr | PR

"A semana começa sem comentários sobre a ameaça de intervenção militar feita na sexta-feira por um general da ativa, Antonio Hamilton Mourão, que não foi preso nem advertido por esta ofensa à Constituição", comenta a colunista do 247 Tereza Cruvinel; "O que ele falou nunca havia sido dito por nenhuma autoridade militar depois de 1985, quando a ditadura chegou ao fim.Foi a confirmação de que ainda pulsa, nas casernas, a tentação intervencionista, adubada a partir de 2013 pelos manifestantes de direita que pediram a volta dos militares. O 'esquecimento seletivo' não pode apagar esta ameaça", diz Tereza, que alerta: "Declarações parecidas também foram dadas por altas patentes antes de 1964" . BR 247

INSTÁVEL, GEDDEL JÁ PREOCUPA PLANALTO COM SUA POSSÍVEL DELAÇÃO

Polícia Federal | REUTERS

Considerado pelo Planalto instável, temperamental e emotivo, o ex-ministro Geddel Vieira Lima não deve aguentar muito tempo na prisão, segundo pessoas próximas a Michel Temer; essas características, disse um auxiliar, podem aumentar ainda mais as chances de o ex-ministro fornecer informações em troca de benefícios; um dos aliados mais próximos de Temer durante várias décadas, Geddel agora gera verdadeiro pânico no Planalto, que hoje já leva a sério a possibilidade de o político baiano, preso desde o dia 8, fechar um acordo de delação premiada; para pessoas próximas a Temer, a situação em relação a Geddel é “praticamente incontornável” depois que a Polícia Federal encontrou R$ 51 milhões em espécie em um apartamento em Salvador, onde foram identificadas as impressões digitais do ex-ministro. BR 247