Artigo do Lula na Folha de S.Paulo: Afaste de mim este cale-se

Estou preso há mais de cem dias. Lá fora o desemprego aumenta, mais pais e mães não têm como sustentar suas famílias, e uma política absurda de preço dos combustíveis causou uma greve de caminhoneiros que desabasteceu as cidades brasileiras. Aumenta o número de pessoas queimadas ao cozinhar com álcool devido ao preço alto do gás de cozinha para as famílias pobres. A pobreza cresce, e as perspectivas econômicas do país pioram a cada dia.

Crianças brasileiras são presas separadas de suas famílias nos EUA, enquanto nosso governo se humilha para o vice-presidente americano. A Embraer, empresa de alta tecnologia construída ao longo de décadas, é vendida por um valor tão baixo que espanta até o mercado.

Um governo ilegítimo corre nos seus últimos meses para liquidar o máximo possível do patrimônio e soberania nacional que conseguir —reservas do pré-sal, gasodutos, distribuidoras de energia, petroquímica—, além de abrir a Amazônia para tropas estrangeiras. Enquanto a fome volta, a vacinação de crianças cai, parte do Judiciário luta para manter seu auxílio-moradia e, quem sabe, ganhar um aumento salarial.

Semana passada, a juíza Carolina Lebbos decidiu que não posso dar entrevistas ou gravar vídeos como pré-candidato do Partido dos Trabalhadores, o maior deste país, que me indicou para ser seu candidato à Presidência. Parece que não bastou me prender. Querem me calar.

Aqueles que não querem que eu fale, o que vocês temem que eu diga? O que está acontecendo hoje com o povo? Não querem que eu discuta soluções para este país? Depois de anos me caluniando, não querem que eu tenha o direito de falar em minha defesa?

É para isso que vocês, os poderosos sem votos e sem ideias, derrubaram uma presidente eleita, humilharam o país internacionalmente e me prenderam com uma condenação sem provas, em uma sentença que me envia para a prisão por "atos indeterminados", após quatro anos de investigação contra mim e minha família? Fizeram tudo isso porque têm medo de eu dar entrevistas?

Lembro-me da presidente do Supremo Tribunal Federal que dizia "cala boca já morreu". Lembro-me do Grupo Globo, que não está preocupado com esse impedimento à liberdade de imprensa —ao contrário, o comemora.

Juristas, ex-chefes de Estado de vários países do mundo e até adversários políticos reconhecem o absurdo do processo que me condenou. Eu posso estar fisicamente em uma cela, mas são os que me condenaram que estão presos à mentira que armaram. Interesses poderosos querem transformar essa situação absurda em um fato político consumado, me impedindo de disputar as eleições, contra a recomendação do Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas.

Eu já perdi três disputas presidenciais —em 1989, 1994 e 1998— e sempre respeitei os resultados, me preparando para a próxima eleição.

Eu sou candidato porque não cometi nenhum crime. Desafio os que me acusam a mostrar provas do que foi que eu fiz para estar nesta cela. Por que falam em "atos de ofício indeterminados" no lugar de apontar o que eu fiz de errado? Por que falam em apartamento "atribuído" em vez de apresentar provas de propriedade do apartamento de Guarujá, que era de uma empresa, dado como garantia bancária? Vão impedir o curso da democracia no Brasil com absurdos como esse?

Falo isso com a mesma seriedade com que disse para Michel Temer que ele não deveria embarcar em uma aventura para derrubar a presidente Dilma Rousseff, que ele iria se arrepender disso. Os maiores interessados em que eu dispute as eleições deveriam ser aqueles que não querem que eu seja presidente.

Querem me derrotar? Façam isso de forma limpa, nas urnas. Discutam propostas para o país e tenham responsabilidade, ainda mais neste momento em que as elites brasileiras namoram propostas autoritárias de gente que defende a céu aberto assassinato de seres humanos.

Todos sabem que, como presidente, exerci o diálogo. Não busquei um terceiro mandato quando tinha de rejeição só o que Temer tem hoje de aprovação. Trabalhei para que a inclusão social fosse o motor da economia e para que todos os brasileiros tivessem direito real, não só no papel, de comer, estudar e ter moradia.

Querem que as pessoas se esqueçam de que o Brasil já teve dias melhores? Querem impedir que o povo brasileiro —de quem todo o poder emana, segundo a Constituição— possa escolher em quem quer votar nas eleições de 7 de outubro?

O que temem? A volta do diálogo, do desenvolvimento, do tempo em que menos teve conflito social neste país? Quando a inclusão dos pobres fez as empresas brasileiras crescerem?

O Brasil precisa restaurar sua democracia e se libertar dos ódios que plantaram para tirar o PT do governo, implantar uma agenda de retirada dos direitos dos trabalhadores e dos aposentados e trazer de volta a exploração desenfreada dos mais pobres. O Brasil precisa se reencontrar consigo mesmo e ser feliz de novo.

Podem me prender. Podem tentar me calar. Mas eu não vou mudar esta minha fé nos brasileiros, na esperança de milhões em um futuro melhor. E eu tenho certeza de que esta fé em nós mesmos contra o complexo de vira-lata é a solução para a crise que vivemos.

Luiz Inácio Lula da Silva
Ex-presidente da República (2003-2010)

Originalmente publicado pelo jornal Folha de S.Paulo

Bom Jardim celebra 147 anos de emancipação política

O município de Bom Jardim, no Agreste Setentrional, acordou em clima de festa. A cidade completa nesta quinta-feira, dia 19 de julho, 147 anos de emancipação política. A terra que ficou conhecida nacionalmente pela forte vocação musical, vivenciará uma programação cultural para comemorar o aniversário. Durante o período da manhã, a partir das 8h, será realizado o hasteamento das bandeiras na sede da prefeitura, assinatura de ordem de serviço e corte do bolo. Já a tarde tem encontro e desfile de bandas e fanfarras. Finalizando, a partir das 22h, na praça de eventos da cidade, acontecerão os shows de Cavaleiros do Forró e Solange Almeida. Atualmente, o município tem sua economia fortalecida na produção agrícola, com destaque para o cultivo de produtos orgânicos através de cooperativa. No campo turístico, a Pedra do Navio é o principal cartão postal. Na festa dos 147 anos, o homenageado é o escritor Dodó Felix. Blog do agreste 

Machados: vereadores e suplentes declaram apoio a Marília Arraes

Um grupo político de Machados formado pelos vereadores Luciano da Funerária (PSC) e Silvinho da Banana (PTB), suplentes Viviane Moraes (PTB), Dennys de Mané do Rádio (PATRI), Tete Anastácio (PTB), Manezinho de Pedro (SD) e ex-vereador João Morais (PR) declararam apoio a pré-candidatura de Marília Arraes (PT) ao Governo de Pernambuco. O presidente municipal do PR em Machados, Adolfo Amair, também participou do encontro. A reunião ocorreu no gabinete da vereadora recifense. 

Na pauta, foram debatidos vários assuntos da política regional e ficou definida a ida da pré-candidata a Machados, restando apenas definir a data. Marília apareceu, na última pesquisa divulgada pelo Diário de Pernambuco, empatada tecnicamente com o governador Paulo Câmara (PSB). No segundo turno, ela venceria Paulo e Armando Monteiro (PTB). Em Machados, o grupo fortalece o projeto de interiorizar a campanha, caso a candidatura seja consolidada.  “Quero fazer o que meu avô fazia, política com o povo e pelo povo, esse grupo de Machados vem para somar esse projeto”, comentou a neta de Arraes. (Imagem | Divulgação) blog do agreste 

Marília: “Unidade, mas sem toma lá, dá cá”

Marília quando esteve na Rádio Pajeú. Foto: André Luis/Arquivo do blog.
Vereadora Marília Arraes (PT) reconheceu o esforço do seu partido para obter o apoio socialista à candidatura do ex-presidente Lula, mas criticou o método
Do Blog da Folha
À espreita das articulações nacionais entre PT e PSB, a pré-candidata ao Governo de Pernambuco, vereadora Marília Arraes (PT) reconheceu, nessa quarta-feira (18), o esforço do seu partido para obter o apoio socialista à candidatura do ex-presidente Lula, mas criticou o método – de troca de candidatura por apoio. O apoio do PSB acarretará na retirada da postulação petista, em prol do governador Paulo Câmara (PSB).
Segundo ela, a união dos partidos não pode ser o objetivo, mas, sim, fazer a conciliação para se chegar ao objetivo. “A gente precisa criar a unidade do campo de esquerda, do campo progressista. Mas essa unidade tem que se construída com base em projetos e não simplesmente no ‘toma lá dá cá’, tu tira uma candidatura aqui que a gente te apoia ali. Mas, claro, o PT nacional está numa luta grande para fazer a defesa de Lula, sair do isolamento e precisa fazer esses diálogos”, declarou ela ao programa Conversa Afiada.
O presidente estadual do PT, Bruno Ribeiro, disse que aguarda a sinalização da direção nacional para marcar a convenção de Pernambuco. As convenções estaduais estão agendadas para 27 a 29 de julho.

LULA PRESIDENTE NOVAMENTE!


Rosa Weber sinaliza com respeito à Constituição no TSE

Os termos da decisão da ministra Rosa Weber, que barrou ação que pedia para o TSE declarar antecipadamente a inelegibilidade de Lula, animaram aliados e juristas que trabalham pelo ex-presidente e tentam esticar sua permanência na corrida eleitoral.
A ministra assumirá a presidência do TSE em agosto, por isso são grandes as chances de a análise do caso do petista ocorrer na gestão dela. Na decisão, ela indicou que seguirá trâmite previsto na lei. Os prazos podem manter Lula no cenário até meados de setembro.

Governador tem de aceitar Marília: PSB entre PT e Ciro

Coluna do Estadão – Andreza Matais
O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), foi aconselhado a desistir de tentar convencer o PT a retirar a candidatura de Marília Arraes, sua principal opositora no Estado, em troca da neutralidade do seu partido na eleição presidencial.

O PT só aceita retirar o nome de Marília mediante coligação nacional das duas legendas na eleição presidencial. Tese já rejeitada pelos pessebistas. “Tá faltando Lexotan em Pernambuco”, provoca Silvio Costa (Avante), que disputa o Senado na chapa da petista.
A direção do PSB se reúne no próximo dia 30 para definir a posição do partido na eleição presidencial. Vai para a convenção nacional, dia 5 de agosto, com a decisão tomada.
O secretário-geral, Renato Casagrande, diz que a tendência é aprovar o apoio a Ciro Gomes (PDT).

LULA SE ELEGE OU ELEGE QUALQUER UM QUE ELE INDICAR, EM PERNAMBUCO

A pesquisa realizada em parceria da Datamétrica com o Diário de Pernambucofez simulações de segundo turno. Lula venceria os dois adversários testados, Jair Bolsonaro e Geraldo Alckmin, com larga vantagem: 74% a 11% (cenário com Bolsonaro) e 73% a 7% (com Alckmin). Os números são de maior vantagem ainda para Lula nessa pesquisa do que foram em junho (de 69% a 14% e 71% a 7%, respectivamente).
As duas simulações com Fernando Haddad, novamente com a informação de que esse tem o apoio de Lula, repetem a liderança de um candidato do PT. Entre Haddad e Bolsonaro, o petista teria 45% e o pré-candidato do PSL, 14%. Fosse a disputa entre o petista e o pré-candidato do PSDB, Haddad teria 46% e Alckmin, 9%.
Bolsonaro e Alckmin tampouco superam Marina, nas duas simulações equivalentes feitas com a pré-candidata da Rede. Entre Marina e Bolsonaro, 35% preferem Marina, 15% Bolsonaro. Entre Marina e Alckmin, os resultados seria de 35% a 10% em favor da candidata da Rede.
Finalmente, quando se considera Ciro no segundo turno, ele vence tanto Bolsonaro (25% a 16%) como Alckmin (23% a 14%). “Pernambuco, neste momento, está dizendo que prefere Lula ou um nome que receba sua indicação a qualquer outro. E que prefere qualquer nome menos identificado com o campo do centro ou da direita. Ou, pelo menos, que não nutre simpatias por qualquer dos dois postulantes desse campo de mais visibilidade até aqui – Bolsonaro e Alckmin”, comenta Analice Amazonas, sócia diretora da Datamétrica responsável técnica pela pesquisa.
AMOSTRA

Candidatura de Marília Arraes consolidou-se …


Foto Matheus Bernardes/PT

A pesquisa Datamétrica divulgada ontem trouxe um cenário que os bastidores da política já estavam captando, que era o crescimento significativo da candidatura de Marília Arraes ao governo de Pernambuco. No levantamento ela aparece com 21%, quatro pontos abaixo do governador Paulo Câmara, que tenta a reeleição, e quatro pontos acima de Armando Monteiro, que foi candidato em 2014 e não conseguiu polarizar com o atual governador.

Os números de Armando, apesar de comemorados pelo petebista, denotam certa fragilidade da sua candidatura, uma vez que no levantamento anterior ele tinha 14% e cresceu apenas para 17%, mesmo tendo vários movimentos positivos em relação ao seu nome, como o anúncio formal da sua pré-candidatura em 11 de junho que não tinha sido captado no levantamento passado, e o apoio do grupo Ferreira ao seu projeto que ocorreu posteriormente. De lá pra cá a pauta foi mais positiva pra Armando, então era esperado um desempenho melhor.

No tocante a Paulo Câmara, a situação é igualmente preocupante, uma vez que mesmo oscilando positivamente cinco pontos percentuais, a soma de seus adversários é consideravelmente maior do que suas intenções de voto, cristalizando a existência de um segundo turno no quadro mais provável que é o de três candidaturas competitivas.

Quanto a Marília Arraes, mesmo tendo a menor retaguarda política dos três principais candidatos, ela vem conquistando um crescimento sustentável e gradativo que faz dela uma candidata difícil de ser batida, uma vez que é o fato novo de uma eleição que tem dois candidatos que se enfrentaram no passado e não conseguem fazer uma disputa política que signifique uma discussão dos problemas do estado. Marília fica cada vez mais consolidada para ser candidata, pois é quem aparenta ter as condições políticas de estar no segundo turno e oferecer um projeto que faça frente à hegemonia do PSB no estado. Os números evidenciam que ao PT só cabe um caminho: reconhecer a força de Marília e garantir a sua candidatura ao Palácio do Campo das Princesas. (Por Edmar Lyra)

TODOS OS PRÉ-CANDIDATOS A GOVERNADOR DE PERNAMBUCO DIZEM QUE VÃO VOTAR EM LULA PARA PRESIDENTE

Coluna Fogo Cruzado – 18 de julho de 2018
Ainda não se sabe quem fará a campanha de Alckmin no Estado de Pernambuco
Sendo candidato a presidente da República ou indicando alguém do PT para substituí-lo, o ex-presidente Lula está numa situação confortável em Pernambuco. O PT deve ter candidato próprio ao governo estadual que é a vereadora Marília Arraes, a primeira a empunhar a bandeira do “lulismo” no Estado. Ela viaja permanentemente pelo interior não apenas para divulgar sua candidatura como também para reclamar da prisão do ex-presidente, que considera “injusta” e “sem provas”. O governador Paulo Câmara também pretende marchar com o candidato do PT, seja ele quem for, para não contrariar a vontade da maioria dos pernambucanos, que gostaria de ver Lula de novo no Palácio do Planalto. Câmara será dissidente no PSB, seu partido, que não fará aliança formal com o PT. Poderosas forças políticas do PSB não têm interesse nesta aliança, a começar pelo governador de São Paulo, Márcio França, cuja sabedoria e sagacidade ele deixou claro anteontem ao ser sabatinado no programa “Roda Viva” da TV Cultura. O candidato do PTB a governador, Armando Monteiro Neto, também vai votar em Lula, apesar de esta não ser a posição unânime de sua coligação, que conta também com antilulistas como o DEM (Mendonça Filho) e o PSDB (Bruno Araújo). Em razão da supremacia do “lulismo” em Pernambuco, ainda não se sabe quem fará a campanha de Alckmin aqui no Estado, mesmo ele sendo o candidato dos deputados Jarbas Vasconcelos, Bruno Araújo e Betinho Gomes. Por inaldo Sampaio 

LULA TEM 65% EM PERNAMBUCO


O desânimo de Renata Campos, a felicidade de Duque e o oportunismo de Armando

Voltando ao capítulo Felipe Carreras, cresce os rumores de que a própria Renata Campos não estaria tão empolgada com a reeleição  de Paulo Câmara em Outubro, o que abriria espaço para uma possível jogada política onde Renata, teria espaço para alavancar seu filho, João Campos, para assumir em tempo oportuno, ou eleição oportuna, o comando do Campo das Princesas: João Campos, futuro governador de Pernambuco num futuro bem lá sabe-se quando.
Outras informações, ainda indicam que entre a família do Pássaro Amarelo, em outras palavras, dentro do próprio governo pernambucano, já há uma tendência a se conformar com a derrota este ano para a neta de Miguel Arraes, Marília Arraes, do PT, num segundo turno entre ela e Câmara, pois a revolta de Carreras em decorrência da suposta torcida de Renata contra o próprio Palácio e as pesquisas de Opinião divulgadas há pouco, reforçariam essa derrota dos palacianos e a teoria do preparemos a bagagem sem choro e com resignação.
Feliz da vida: O prefeito Luciano Duque de Serra Talhada, responsável pelo lançamento da pré-candidatura de Marília Arraes ao governo de Pernambuco comemorou os números do Datamétrica, divulgados ontem pelo Diário de Pernambuco. Na sondagem eleitoral a vereadora do Recife aparece com 21% das intenções de voto.  “Quando a aliança é com o povo, o caminho da vitória é muito mais real. Lula Presidente. Marília Arraes Governadora!”, escreveu Luciano Duque no facebook.
Oportunismo?: De olho no apoio PT, o senador Armando Monteiro do PTB esteve ontem, em Curitiba. O pré-candidato ao governo de Pernambuco foi visitar o ex-presidente Lula, preso na sede da Polícia Federal, da mesma cidade. À imprensa, Armando disse que a visita teve caráter institucional e pessoal. Agora resta saber o que o petebista dirá aos aliados que formam o seu palanque, já que todos carregam o carimbo de Impeachment de Dilma (PT) e de defesa do governo Temer (MDB). http://www.juniorcampos.net/noti

Reforma trabalhista reduz em 80% empregos com carteira assinada

Dados referentes a maio mostram que seis meses após o presidente Michel Temer afirmar que a reforma trabalhista ampliaria os horizontes para o emprego, o quadro no mercado de trabalho ainda é desolador.
Pesquisa divulgada na sexta-feira (29) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mostra que o desemprego no país atingiu 12,7% no trimestre encerrado em maio, ou 13,2 milhões de desocupados.
Os números revelam estabilidade em relação aos três meses encerrados em fevereiro e queda de 0,6% na comparação com igual período de 2017.
Comparada ao piso registrado no fim de 2014, no entanto, a taxa de desemprego não só dobrou, como patina em um nível bastante alto e só não é maior em razão das vagas geradas no mercado informal.

Zé Maurício e Wolney Queiroz visitaram Saloá durante festas juninas promovidas pela NOVA oposição

Os deputados, Zé Maurício e Wolney Queiroz, estadual e federal respectivamente, prestigiaram no último sábado (14), as festas juninas realizadas pela NOVA Oposição de Saloá, no Agreste Pernambucano, junto à população local e na companhia de Wellington Freitas, que foi vereador na cidade e candidato a vice-prefeito nas últimas eleições, dos Vereadores Zé Cabeleireiro e Valdir Lopes, do suplente de vereador, Prof Bá e dos candidatos a vereadores na última eleição, Josa Vicente, Adonis Vicente além do blogueiro Francisco Elmes, Luiz de Abílio e demais amigos e lideranças.

Acompanharam os parlamentares nos festejos e nas visitas pela cidade, o vereador de Garanhuns Alcindo Correia, o vereador de Terezinha, Adriano Campos e a vereadora de Bom Conselho Ivete Enfermeira, além do presidente do STR da cidade de Terezinha Emanuel e o ex-vereador e ex-presidente da câmara de Saloá, Manoel da Maternidade (pai do vereador Zé Cabeleireiro) e também Washington Cadete.

A NOVA Oposição saloaense, realizaram festejos no povoado de Serrinha da Prata (30 de junho), cidade de Saloá (07 de julho) e neste sábado (14) os festejos ocorreram no sítio Batinga e contou com o som da banda Forrozão AD.  Antes houve a apresentação da Junina “Pé da Roça” de Saloá.

Durante a ocasião, Zé Maurício e Wolney, conversaram com a TV Saloá Web sobre os esforços que vêm sendo implementados na cidade – como a destinação de emendas para a construção de poços artesianos – a partir das demandas trazidas pelo grupo político e destacaram as obras estruturantes que já estão acontecendo, como a construção de três grandes barragens na zona rural do município.


Através dos esforços dos jovens políticos saloaenses em parceria com Wolney Queiroz e Zé Maurício, os sítios Manoel Ferreira, Camaratuba do Catimbau e Camaratuba da Prata estão sendo beneficiados com a construção das barragens. barragens. Por Wellington Freitas 

Advogados do Estadão garantem: é Lula 2018!

Há muito que se afirma que há espaço legal para o ex-presidente Lula ser candidato à Presidência em 2018. Apesar disso, a mídia vem garantindo que ele já é inelegível. A juíza teleguiada de Moro proibiu o ex-presidente de dar entrevista, decretando-o inelegível. Agora, porém, o jornal mais antipetista do país prova que Lula pode, sim, ser candidato.
Em maio, o especialista em direito eleitoral Luiz Fernando Pereira afirmou em reportagem do site Viomundo que não havia base jurídica para que se pudessse impedir a candidatura do ex-presidente Lula. Ele disse: “em relação a Lula existe hoje, quando muito, apenas uma inelegibilidade provisória – que pode ser revogada a qualquer tempo, mesmo depois da eleição” e acrescenta: “se o processo de registro (e a impugnação do registro) de Lula for o mais célere possível (apenas cumprindo os prazos mínimos), não termina no TSE antes da metade de setembro de 2018.
Em junho, porém, surge uma notícia estarrecedora: o ministro do TSE Admar Gonzaga diz que a candidatura do ex-presidente poderia ser cassada “de ofício”. O que diabos isso quer  dizer? É como se dissessem, mais ou menos, o seguinte: o TSE, subvertendo toda ordem legal, a Constituição e a jurisprudência consagrada diz assim:
— Se um sujeito chamado Lula tentar registrar sua candidatura aqui no TSE, não pode. Qualquer outro brasileiro, preso ou solto, condenado em segunda instância ou não, pode. Menos Lula. Será o primeiro e único brasileiro considerado inelegível e sem direito a apelação.
A proposta foi considerada tão absurda que a presidente do STF, Cármen Lúcia, teve que se pronunciar para salvar o que resta da imagem do judiciário brasileiro, lembrando ao ministro do TSE supracitado que “O Judiciário não age de ofício”, ou seja, sem provocação.
Agora, a discussão sobre até onde vai a candidatura Lula simplesmente acabou. O Jornal O Estado de São Paulo, vulgo Estadão, o jornal mais antipetista e conservador do país, escolheu especialistas ao seu gosto para responderem se Lula pode ser candidato mesmo estando preso e obteve uma resposta que não deve lhe ter agradado muito…
O jornal fez a seguinte pergunta aos especialistas em Direito Eleitoral que procurou:
“Se o PT oficializar candidatura de Lula até dia 15 de agosto, e usar isso como ‘fato novo’ para pedir um HC, qual a chance de ela prosperar?”
O jornal ouviu Silvio Salata e Karina Kufa, dois estudiosos de direito eleitoral. E descobriu, surpreso, que “Ambos acreditam haver… espaço legal para tanto”.  Assim mesmo, com reticências entre “acreditam haver” e “espaço legal para tanto”, denotando supresa.
Segundo a reportagem, para Salata, presidente da comissão de direito eleitoral da OAB-SP, mesmo preso Lula pode pedir o registro e organizar a campanha. “Ele tem a seu favor a cláusula pétrea da presunção de inocência, ainda a ser avaliada no STF”, explica.
Kufa, por sua vez, fez uma conta de chegar mostrando longa sequência de recursos e medidas jurídicas de que Lula dispõe até começo de setembro. Até dia 17 desse mês, se derrotado na gincana legal, pode ceder a vaga a Haddad.
Outro caminho, na área criminal: o art. 26-c da Lei da Ficha Limpa. Ele dá ao candidato o direito de pedir efeito suspensivo da inelegibilidade. Pelo menos 20 prefeitos já conseguiram essa medida cautelar e tomaram posse. Mérito julgado pelo TSE, parte deles perdeu o cargo.
Essa hipótese depende de, na ação criminal contra Lula, ainda no TRF-4, um ministro no STF ou STJ descobrir algo que o leve a dar liminar ao petista. E esta precisaria ser julgada em plenário.
Não é à toa que os antipetistas estão pedindo ao TSE que antecipe ainda para julho o julgamento de sua inelegibilidade. Só falta combinar com as instâncias superiores e convencer ministros do TSE a praticarem uma ilegalidade, oferecendo prova de partidarismo político.
Confira a reportagem em vídeo


Nova Pesquisa mostra que Marília Arraes tem tudo para ser a nova governadora de Pernambuco


Campanha do desespero é lançada nas redes sociais de Pernambuco

Coluna Pega-Fogo – 17 de julho de 2018
Campanha do desespero é lançada nas redes sociais de Pernambuco
Nas redes sociais, líderes do PSB e do PT de Pernambuco foram pegos de surpresa com os dizeres “Paulo é Lula e Lula é Paulo” (…) Um banner com Paulo Câmarae Lula juntos tem percorrido o estado, e muitos analistas da política estadual apontam como sendo a campanha de desespero político desenvolvida pela Frente Popular para as eleições deste ano.
Em 2016, o PSB foi um partido de apoio ao impeachment da ex-presidenta, Dilma Rousseff (PT), no entanto, nessa última semana, o socialista anunciou apoio total a candidatura do preso político e ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, ação que é elencada como desespero por parte dos adversários de Paulo Câmara, respectivamente, pela pré-candidata a governadora Marília Arraes (PT) e do pré-candidato a senador Silvio Costa (Avante).
O tempo passou e o discurso dos deputados do PSB que apoiaram o impeachment, assim como Paulo Câmara que liberou seus secretários para retornarem à Câmara Federal, já é página virada.
Mas, afinal, o que Paulo Câmara quer apoiando Lula? Simplesmente, rifar a candidatura de Marília Arraes ao Governo de Pernambuco. Há cerca de dois anos, membros do PSB, liderados pelo governador, comemoravam a desfiliação da ex-aliada, que decidiu seguir na esquerda, mas ao lado de Lula e do Partido dos Trabalhadores (PT).
E agora? Agora, Marília Arraes olha pra Paulo Câmara de cima para baixo, tendo em vista que carrega dois apoios que equivalem a toda a Frente de Oposição, capitaneada pelo senador Armando Monteiro (PTB), trata-se de Lula e do legado do ex-governador Miguel Arraes.
A campanha que se desdobra nas redes sociais tem muitos pontos para serem analisados, muito embora dois chamem atenção: primeiro, trata-se da falta de um projeto político do PSB e segundo de um marketing político que possa garantir uma vitória de Paulo Câmara em cima de Marília Arraes e Armando Monteiro, caso a petista não tenha sua candidatura rifada.
Na época de Eduardo Campos, a essa altura, o PSB estava com todo gás e energia para realizar sua convenção partidária e apresentar seu time de frente, entretanto, nesta eleição o time de frente está bem apresentado, mas o líder está sem saber se faz campanha criticando a oposição – o palanque de Michel Temer – ou se faz campanha para Lula – que está preso acusado de corrupção.
Para Câmara, o menos ruim é apoiar o ex-presidente do PT. Para o PSB, o menos ruim é seguir com Ciro Gomes e deixar Marília Arraes ser candidata. O cenário é de total divisão entre os deputados federais e estaduais que compõem o PSB de Pernambuco. POR Roberto Sá 

Para o Senado três nomes despontam

Do Diario de Pernambuco
Os nomes mais fortes hoje na disputa pelo Senado seguem sendo o deputado federal Jarbas Vasconcelos (MDB), o senador Humberto Costa (PT) e o deputado federal Mendonça Filho (DEM). Seja na intenção de voto espontânea, seja na estimulada, esses são os nomes que se destacam entre os concorrentes às duas vagas no Legislativo federal.
Na resposta espontânea de intenção de voto, aparecem Humberto Costa - tenta renovar o mandato no Senado Federal - e Mendonça Filho com 10% e Jarbas Vasconcelos com 9%. Todos os demais ficam entre 0% e 1%.
Na resposta estimulada da pesquisa, os três principais pré-candidatos se reafirmam na liderança. Jarbas Vasconcelos, que já exerceu o mandato de senador anteriormente (entre 2007 e 2014), lidera com 32%, Humberto Costa surge em segundo lugar com 25% e Mendonça Filho vem em terceiro com 24%. José Queiroz (PDT) aparece com 8%, Silvio Costa (Avante) com 5%, Maurício Rands (Pros) com 3% e André Ferreira (PSC), Antônio Souza  (Rede) e Eugênia Lima (PSol) com 2% cada, enquanto Albanise Pires (PSol) obteve 1%.
Os que declararam intenção de anular seu voto ou votar em branco somaram 27% e 10% se declararam indecisos, segundo o levantamento.

Datamétrica – Camara 25%; Marília 21%; Armando 17%

Do Diario
Na segunda pesquisa sobre a corrida eleitoral deste ano em Pernambuco, realizada pela Datamétrica, entre os dias 11 e 12 de julho, observa-se pouca mudança em comparação à primeira, feita entre 8 e 9 de junho. Os três principais candidatos cresceram um pouco e as posições relativas deles permanecem as mesmas, tanto na intenção de voto espontânea como na estimulada. Paulo Câmara (PSB) na liderança, seguido de Marília Arraes (PT) e de Armando Monteiro (PTB). Estatisticamente, entretanto, os três continuam num empate técnico. A margem de erro é de quatro pontos percentuais para mais ou para menos.
A intenção espontânea de voto apresenta Paulo Câmara com 13% (em junho ele tinha 12%), Marília Arraes com 11% (em junho ela tinha 8%) e Armando Monteiro com 6% (sendo 4% a registrada em junho)
Os demais candidatos obtiveram, cada um, menos de 1% das intenções de voto.
Os indecisos cresceram de 39% para 53%, e aqueles votariam branco ou nulo caíram de 28% para 14%.
Estimulada
A intenção estimulada de voto no cenário, considerando a participação da pré-candidata do PT, repete a ordem dos candidatos da espontânea, sendo todos com índices maiores, como se esperaria das respostas estimuladas. Os números de 25% (Paulo Câmara), 21% (Marília Arraes) e 17% (Armando Monteiro) confirmam a liderança do governador, ainda que estejam todos empatados dentro da margem de erro. Os números da pesquisa anterior foram: 20%, 17% e 14%, respectivamente. Os demais candidatos ficaram entre 0% e 2%. A mudança expressiva foi dos brancos e nulos, que caíram de 35% para 26%, o que é natural à medida que a eleição se avizinha.
O cenário sem a pré-candidata do PT mantém o governador na liderança, com 28%, seguido do pré-candidato do PTB, com 22%. A distância de 6 pontos, entretanto, ainda significa empate técnico. Nessa simulação, os demais candidatos atingem, cada um, no máximo 2%. Votos brancos e nulos seriam de 33% (antes 42%). Indecisos caíram somente 1% (de 10% para 9%).
A migração dos votos de Marília Arraes, quando se retira o nome dela da disputa, sugere uma preferência clara do seu eleitorado por Armando Monteiro. O pré-candidato do PTB recebe 33% dos votos dela, enquanto o governador recebe 13%. Essa vantagem de Armando Monteiro sobre os votos de Marília Arraes se ampliou significativamente desde a pesquisa de junho, quando ele recebia 20% dos votos que seriam dela, enquanto Paulo Câmara recebia os mesmos 13%.
Tendência
Segundo Analice Amazonas, sócia-diretora da Datamétrica e responsável técnica pela pesquisa, “a pesquisa não permite decifrar o motivo dessa inclinação maior dos eleitores de Marília a Armando, ou a ampliação dessa vantagem do senador entre junho e agora, mas, seguramente, é uma tendência que foge um pouco das expectativas, se considerarmos os campos ideológicos dos três pré-candidatos”.

Zé Maurício visita o município de Catende

Em visita à cidade de Catende, na Mata Sul de Pernambuco, nesta quinta (12), o deputado estadual Zé Maurício concedeu entrevista à Rádio Farol FM 90,7, para o programa Alerta Geral com o radialista Ribeiro Jr.

Na ocasião, o parlamentar pontuou as suas atividades à frente da Comissão de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Alepe, que vem tendo como foco a questão da destinação correta dos resíduos sólidos e o fim dos lixões em Pernambuco.

Na entrevista, foram debatidos também a importância da educação na formação principalmente dos jovens, e os investimentos do Governo do Estado neste sentido, como o Programa Ganhe o Mundo.  Os recursos de emendas parlamentares do deputado para obras de infraestrutura, abastecimento d’água e reforço na saúde do município também foram pontuados no encontro; além das articulações para a ampliação do serviço de telefonia na Cidade.

O parlamentar visitou ainda na Câmara Municipal de Vereadores de Catende, onde conversou com a população a respeito das demandas do município. Acompanharam a visita, os vereadores Biu Flor, Dida e Xavier, além do ex-deputado federal Severino Cavalcanti, a liderança local Nilton Lins, entre outros presentes.


Wesley Leal assessoria

Apoio de Lula faz Haddad DISPARAR em pesquisa tucana

Chega a ser irônico que uma pesquisa eleitoral encomendada por um setor da economia ligado umbilicalmente ao PSDB seja mais honesta e beneficie mais o PT do que as pesquisas tradicionais. Uma sondagem do instituto Ipespe encomendada pela XP Investimentos diz que se tirarem Lula da eleição podem torná-lo ainda mais forte politicamente.
A encrenca de domingo (8/7) passado no TRF4, com o desembargador Rogério Favreto, que estava de plantão naquele tribunal e concedeu habeas corpus a Lula, e com juiz de primeira instância (Sergio  Moro) desacatando decisão de instância superior em conluio com a PF, fez bem à imagem do ex-presidente Lula, segundo o site ligado ao mercado financeiro “InfoMoney”.
Lula subiu 2 pontos percentuais em pesquisa desse mesmo mercado financeiro, após a encrenca no tribunal gaúcho.
Mas, como já foi dito no Blog da Cidadania em matéria anterior, Lula subir em pesquisas eleitorais já não é novidade. Subiu em todas nas últimas semanas. Porém, a XP/Investimentos, em parceria com o Ipespe, mostra que o mercado financeiro pode preferir o tucano Geraldo Alckmin, mas não rasga dinheiro.
Apesar de o mercado financeiro, através da XP Investimentos, ligada ao Itaú, preferir o tucano, não confia nas pesquisas dos Ibopes e Datafolhas da vida porque essas pesquisas, apesar de reconhecerem a força política de Lula, são falsas por não citarem eventual candidato indicado por Lula.
A pesquisa semanal que o Ipespe (Instituto de Pesquisas Econômicas) faz para a corretora XP Investimentos revela que o ex-presidente Lula tem muita capacidade de transferir votos para um eventual nome alternativo do PT.
O levantamento publicado no site Infomoney trabalha com vários cenários. E, pela segunda vez na pesquisa XP-Ipespe, Fernando Haddad é apresentado como candidato de Lula. Isso fez com que saltasse de 2% para 12% da preferência dos eleitores, o que o colocaria atrás apenas de Jair Bolsonaro (com 21%) e em empate técnico com Marina Silva (11%).
Eis o fenômeno: Haddad melhorou sua presença em relação à pesquisa XP-Ipespe anterior. Quando o ex-prefeito de São Paulo foi apresentado pela primeira vez numa pesquisa como candidato de Lula, tinha 11%.
Agora, o ex-prefeito Fernando Haddad aparece com 12% ao ser associado a Lula.
São muitas as análises de que a prisão de Lula e a tramoia judicial para tirá-lo da eleição estão fazendo com que seu poder de transferência de votos aumente mais um pouco a cada dia.
Note-se que o ex-prefeito Haddad subiu na pesquisa Ibope sem sequer fazer campanha como Jair Bolsonaro, por exemplo. Imagine-se agora a população indignada por não poder votar em Lula. Aí aparece um vídeo de Lula indicando que o candidato dele é Haddad ou qualquer outro. É bem provável que tenha até mais votos do que Lula teria.
Confira a matéria em vídeo

Marília Arraes ironiza acordo “informal” com Gleisi

Pré-candidata ao governo do Estado pelo PT, à vereadora do Recife Marília Arraes afirmou ontem que o PSB “está desesperado” para que ela não tenha a candidatura registrada porque sabe da possibilidade de ela ir para o segundo turno. A petista afirmou que o ex-presidente Lula (PT) já se posicionou por candidatura própria em Pernambuco. Em entrevista a duas rádios de Carpina, na Mata Norte, Marília também disparou contra o governador Paulo Câmara, a quem acusou de fazer um “desgoverno”.

“Esse martelo (da aliança entre o PT e o PSB) já bateu tanto nos últimos seis meses que eu acho que ele já tá ficando achatado de tanto que tem batido. O PSB está desesperado”, ironizou Marília. “Tenho certeza de que nós, registrando a candidatura, estamos no segundo turno. E o PSB tem também, porque senão não estava com esse medo todo.”

Buscando se viabilizar como candidata ao governo, Marília fez questão de lembrar que o PSB votou favorável ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e classificou o partido como “base de Temer”, assim como o palanque da frente de oposição Pernambuco Vai Mudar.

O PSB chegou a ter Fernando Filho (hoje no DEM) como ministro de Minas e Energia, mas desembarcou do governo em maio de 2017 após a apresentação de denúncias contra o presidente. “Não teria razão para retirar nossa candidatura. O presidente Lula tem esse posicionamento de que devemos ter uma candidatura firme aqui. O PSB já deu todos os sinais de que, na verdade, quer ganhar tempo, tentar nos desgastar e dificultar nossas articulações políticas aqui”, argumentou a pré-candidata.

Um dia após Paulo Câmara e a senadora Gleisi Hoffmann (PT) discutirem não ter o PT e o PSB como adversários principais na eleição de Pernambuco, Marília declarou que o governador “é até uma pessoa boa”. Mas criticou o loteamento político de áreas do governo, a quantidade de obras paradas, a violência e o descumprimento de promessas, como dobrar o salário dos professores.

Marília fez menções ao avô, o ex-governador Miguel Arraes, e ao primo, o ex-governador Eduardo Campos, mas disse que não considera a política um assunto de família. “Se eu considerasse um assunto de família, nem no PT eu estava. Eu estava no PSB. Tentando formar esse legado familiar que é coisa de monarquia.”

Ao ser questionada se aceitaria o apoio de Paulo ou do senador Armando Monteiro Neto (PTB) caso fosse para o segundo turno, Marília disse que poderia compor com essas forças desde que não interferisse na forma do PT de governar. “Apoio, a gente aceita, contanto que não flexibilize o projeto que a gente tem feito”, disse.

Via PE Notícias

A SITUAÇÃO DO GOVERNADOR PAULO CÂMARA É BOA???

Confirmação de Marília Arraes é péssimo sinal para o PSB 
Nas últimas semanas a pré-candidatura de Marília Arraes ao governo de Pernambuco ganhou ares de consolidação, sobretudo após a visita de Gleisi Hoffmann ao estado, quando reuniu-se com o governador Paulo Câmara e não houve nenhum indicativo de que PT e PSB marchariam juntos no estado.
O enredo da retirada de Marília Arraes terminou por passar a imagem de que o PSB estava desesperado para tirá-la a todo custo do páreo, caso conseguisse o governador Paulo Câmara daria uma grande demonstração de força, e isso traduziria em maior confiança da classe política na sua perspectiva de vitória. Como ao que tudo indica a tentativa foi fracassada, o Palácio do Campo das Princesas caminha para sofrer um duro golpe na tentativa de manter a hegemonia do PSB no estado.
O governador Paulo Câmara ao dizer que votaria em Lula em qualquer hipótese, passou a impressão de que não tem força suficiente no PSB nacional para levar seu partido para uma aliança com o PT. Em outras palavras, ele deixou claro que não levará o partido para a aliança nacional com o PT. Se o governador de Pernambuco, que é o principal estado sob o comando do partido, não tem força para indicar uma aliança nacional, ele mostra claramente que não exerce qualquer tipo de influência no seu partido, mesmo tendo a envergadura do cargo que ocupa.
Ao supervalorizar a aliança com o PT no estado e não conseguir viabilizá-la, Paulo Câmara deu mostras de fragilidade na tentativa de reeleição. Com Marília no páreo, praticamente fica cristalizado o segundo turno, e como se sabe que na segunda etapa a base de sustentação de um governo geralmente fica mais dispersa, é pouco provável que Paulo Câmara tenha resultado diferente do obtido por Mendonça Filho em 2006, pois quem ganhou vai pra casa descansar e quem perdeu vai colocar a culpa no governador e tentar tirar o prejuízo votando na oposição.
Faltando poucos dias para a definição das convenções partidárias, Paulo Câmara corre um risco muito alto de nem ter o MDB e muito menos o PT na sua coligação, o que ampliaria suas chances de não conseguir convencer o eleitor a votar nele, e o que é pior, tem um risco de perder dois potenciais candidatos a senador na sua chapa, Jarbas Vasconcelos e Humberto Costa, na reta final das definições sem ter nomes a altura para colocar no lugar.www.edmarlyra.com/coluna-do-blog-des